Outros conteúdos

Buscar

Dicas de culinária

Categoria: Organização de Festas

Dicas Quentes de Como Receber

Publicado em por Fleischmann

Que tal algumas dicas quentes de etiqueta e curiosidades sobre pratos, cardápios e estilos? Aqui vão curiosidades sobre como receber e servir bem seus convidados.

Lugares á mesa
É a anfitriã quem convida para a mesa e quem indica os lugares que ela já previamente determinou. Á direita da anfitriã senta-se o convidado de honra, a direita do anfitrião, a convidada de honra.

Consome
É servido em taça com duas asas. A forma correta é tomar essa sopa com a colher de sobremesa ou uma própria de consome. Algumas pessoas preferem tomá-lo segurando a taça pelas duas asas. Há consomes gelados e quentes.

Sousplats
São pratos maiores que os pratos rasos. Tem apenas a função estética, seu uso não é obrigatório mas é de grande efeito decorativo e completa o requinte da mesa.

Castiçais
Quando usar castiçais, acenda-os e deixa apagada as luzes do teto. Cuidado para que a altura as chama não interfira na visão entre os convidados.

Manteigueira
Se for servira manteiga, use manteigueiras individuais ou uma para cada duas pessoas.

Como montar Uma Mesa sem Gafe

Publicado em por Fleischmann

Agradar aos olhos é despertar o apetite. Pôr a mesa não é uma arte que deva ficar reservada somente para os dias de festa. A mesa, na maioria dos lares, é o único lugar em que todos estão juntos, e onde há um certo tempo para conversar, trocar idéias.

Portanto não podemos nos descuidar do modo como apresentamos os pratos, bem como da forma como eles são servidos. São estas coisas que conferem um toque de beleza, requinte e prazer à arte de comer.

Para entender quanto à organização do uso dos talheres, dos copos e pratos, o primeiro passo é conhecer sua correta colocação à mesa.

Toalha

Deve estar impecavelmente limpa e engomada, Se a louça for colorida, a toalha deve ser lisa e louça branca pode usar toalha estampada.

O Arranjo

O importante é usar a criatividade. Pode-se optar por um arranjo central ou fazer pequenos arranjos delicados, um para cada convidado. Eles não devem prejudicar a conversação e a comunicação visual entre os comensais. Pode-se, ainda, colocar um par de castiçais no centro ou nas laterais da mesa. Ou, ainda, um candelabro de 6 ou 8 velas.

Guardanapo

Os guardanapos foram conjunto com a toalha e são de tamanho maior para o jantar. Devem ser colocados à esquerda dos garfos ou sobre os pratos. Há várias formas de dobrá-los e ainda se pode optar por usar os portas-guardanapo.

O Sous-plat

Ou prato de sítio (prato de prata, cristal ou madeira): suporte para os demais pratos, ou seja, fica sob os pratos. É um prato maior que os demais, não se colocam alimentos nele e é retirado da mesa somente quando se vai servir a sobremesa. Se ele for usado, será colocado 3 dedos da borda da mesa. Não é obrigatório, mas contribui para maior satisfação.

Os Garfos

Sempre a esquerda do prato. Existem duas exceções: o garfo para ostras e para escargots que são colocados do lado direito. O garfo para ostras tem 3 dentes e o dos caracóis 2, pequeno e pontudo.

As Facas

Ficam a dois dedos da borda da mesa. São sempre colocadas do lado direito, a dois dedos do prato, com a lâmina de corte virada para dentro (em direção ao prato). Nunca colocamos mais de três facas à mesa; se for usar uma quarta faca, esta será colocada na hora de usá-la. Devemos colocar a faca na mesa mesmo quando servimos um prato para o qual não seja necessário usá-la.
Obs.: Todos os talheres serão colocados em ordem de uso do menu que será oferecido. Deve-se iniciar a utilizá-los de fora para dentro. São sempre colocados à mesa voltados para cima. Exceto quando o faqueiro tiver monograma ou brasão de família no verso; se houver, ficarão voltados para baixo.

As Colheres

São colocadas do lado direito e depois da faca, no caso de haver sopa ou consomé.

O Prato

Deve ficar bem ao centro do lugar destinado a cada pessoa e afastado 3 dedos da borda da mesa.

Prato Fundo

É sempre colocado sobre o prato raso.

Consomé

Serve-se da mesma forma que a sopa; a diferença, porém, está na louça. A taça de consomé é como uma xícara de duas alças e vem acompanhada de um pires.

Louça para Pão

Um pratinho à esquerda, próximo ao garfo. Cruzando sua borda superior, uma faquinha ou espátula para manteiga com a lâmina apontando para a esquerda se não houver manteigueira individual, se houver será colocada junto com ela.

Copo para Água

Deve ficar em frente ao prato, bem no centro.

Copos ou Taças para Vinho

À direita do copo para água.

Taça de Champanhe

No caso de servir champanhe num jantar, este deve vir com a sobremesa, e a taça deve estar à esquerda do copo para água. Se for servir champanhe durante todo o jantar, a arrumação será: no centro o copo para água (este é indispensável) e à direita, a taça para champanhe.

Pratos para Sobremesa

Os pratos de sobremesa são trazidos à mesa após todos terem terminado o prato principal.

Talheres de Sobremesa

Eles virão junto com o prato de sobremesa e serão colocados lateralmente e no sentido vertical, ou serão colocados no sentido horizontal entre o prato e os copos na seguinte ordem: colher e faca com os cabos voltados para a direita e o garfo com o cabo voltado para a esquerda.

A Lavanda

Conhecido com finger bowl pode ser de cristal, vidro, cerâmica ou metal, no formato de tigelinha. Sua função é permitir que você limpe os dedos, sem ter que se levantar da mesa, depois de saborear um prato utilizando as mãos (alcachofra, escargot, frango a passarinho, frutas). A lavanda é colocada sobre um pratinho pela esquerda. Logo que ela for colocada sobre seu prato de sobremesa, você deve retirá-la do prato, colocando-a sobre a mesa, também ao seu lado esquerdo. A água da lavanda pode ser fria ou morna. Pode-se acrescentar ao liquido algumas gotas ou uma fatia fina de limão, para ajudar a retirar a oleosidade que ficou nos dedos ao se comer um prato gorduroso. Pode-se, também, enfeitar a água da lavanda com uma pétala de rosa. Você deve mergulhar apenas as pontas dos dedos na água, por alguns segundos. Retire as mãos da lavanda, pegue o guardanapo que está no seu colo, ou o guardanapo que veio acompanhando a lavanda, enxugue delicadamente as mãos e recoloque o guardanapo sobre as pernas, ou, no segundo caso, deixe-o ao lado da lavanda.

Joguinhos de Saleiro e Pimenteira

Se for possível, coloque um diante de cada lugar, acima dos talheres de sobremesa. Não sendo, coloque um joguinho entre cada dois lugares. Se possuir apensa dois, coloque um em cada ponta da mesa. Eles são imprescindíveis para “corrigir” o tempero da comida oferecida, nunca os esqueça.

Decoração em Clima de Natal

Publicado em por Fleischmann

Bolinhas espelhadas, laços, Banjos, sininhos e muito dourado com vermelho nos arranjos de Natal. Decoração cafona para alguns, mas irresistível para a maioria, especialmente para crianças. A Aqui vão sugestões bastante simples, para gastar pouco: um arranjo de porta, um de mesa ou de aparador e ainda lacinhos pendurados na árvore da sala.

A maioria dos objetos utilizados nos enfeites podem ser encontrados em lojas populares. No arranjo de mesa, use gravetos e cascas de sementes caídas de árvores, pintadas com tinta dourada para realçar. A quem não tem habilidade com trabalhos manuais, sugerimos peças sem segredos na execução. Para garantir um visual harmonioso e agradável, a dica é não exagerar na quantidade de enfeites e procurar seguir um único tema.

Recebendo Convidados Extras

Publicado em por Fleischmann

Caso você receba mais alguém para as refeições e for tarde para ir às compras, adicione alguns extras ao prato que está sendo preparado. Aumente os refogados com vegetais enlatados ou congelados, ofereça pão e sirva frutas junto com a sobremesa.

Cobertura
Com queijo – Para aumentar um prato com vegetais, cubra-o com o molho de queijo e flocos de amêndoa. Grelhe.

Cobertura de massa – Abra massa de torta salgada e corte com um cortador de biscoitos. Disponha os moldes ao redor do refogado e asse em forno quente por 12-15 min.
Aumentando

Com caldo – Aumente a sopa com caldo condimentado ou um copo de vinho seco. Ferva e adicione creme de leite antes de servir.

Com milho – Para aumentar arroz cozido, misture uma lata de milho ou grão-de-bico e ervas picadas.

Com aveia – Adicione mingau de aveia e uma lata de tomate picado para aumentar molho à bolonhesa.

Entrada – Sirva tomate fatiado e salada de cebola com pão crocante como uma entrada rápida e simples.

Acompanhamentos – Sirva recheios ou molhos extras para aumentar o prato de carne assada.

Dobre a sobremesa – Caso tenha um purê de frutas ou mousse que não seja suficiente para os convidados, aumente alternando camadas de purê com chantilly em copos altos.

Recebendo Convidados Extras

Publicado em por Fleischmann

Caso você receba mais alguém para as refeições e for tarde para ir às compras, adicione alguns extras ao prato que está sendo preparado. Aumente os refogados com vegetais enlatados ou congelados, ofereça pão e sirva frutas junto com a sobremesa.

Cobertura
Com queijo – Para aumentar um prato com vegetais, cubra-o com o molho de queijo e flocos de amêndoa. Grelhe.
Cobertura de massa – Abra massa de torta salgada e corte com um cortador de biscoitos. Disponha os moldes ao redor do refogado e asse em forno quente por 12-15 min.
Aumentando
Com caldo – Aumente a sopa com caldo condimentado ou um copo de vinho seco. Ferva e adicione creme de leite antes de servir.
Com milho – Para aumentar arroz cozido, misture uma lata de milho ou grão-de-bico e ervas picadas.
Com aveia – Adicione mingau de aveia e uma lata de tomate picado para aumentar molho à bolonhesa.
Entrada – Sirva tomate fatiado e salada de cebola com pão crocante como uma entrada rápida e simples.
Acompanhamentos – Sirva recheios ou molhos extras para aumentar o prato de carne assada.
Dobre a sobremesa – Caso tenha um purê de frutas ou mousse que não seja suficiente para os convidados, aumente alternando camadas de purê com chantilly em copos altos.

Piquenique de Férias

Publicado em por Fleischmann

Um piquenique é, em muitos aspectos, a maneira ideal de desfrutar de bons alimentos e companhia agradável. Qualquer que seja a ocasião, mantenha a simplicidade ao fazê-lo para o máximo de diversão e o mínimo de sujeira.

Preparando a Comida do Piquenique

O tipo de piquenique que você está planejando determinará a seleção de alimentos. Para uma caminhada, você terá de colocá-los em um pequeno espaço, e deverão ser comidos com a mão. Se for de carro, você poderá levar os alimentos e equipamentos mais sofisticados.

Fazendo Sanduíches

  • Congelando – Faça sanduíches com antecedência, e congele-os. Recheios com ovos cozidos, maionese ou folhas não devem ser congelados.
  • Biscoito – Faça biscoitos pequenos usando o cortador. Recheie com queijo cremoso e coloque outro biscoito por cima. Prenda com palitos e coloque em recipiente plástico.
  • Misturando – Deixe os sanduíches atraentes usando uma fatia de pão integral e outra de pão branco com recheio no meio.

Mais Variedades Fazendo rocamboles – Corte a casca de pão de fôrma e passe manteiga. Coloque-o sobre um pano úmido, recheie e enrole com o pano. Corte o rocambole em fatias.

Usando filão de pão Recheando uma baguete – Em vez de sanduíches individuais, corte uma baguete ao meio no comprimento. Passe azeite, recheie e embrulhe-a. Fatie-a no piquenique.

Sobremesas Molho de frutas – Bata frutas, como morango ou manga, com mel a gosto. Coloque em um recipiente plástico dentro de um maior junto com frutas fatiadas.

Alimentos Simples

Vegetais crus - Embrulhe os vegetais junto com um tubo de maionese com alho para não usar pratos. Sugestões para vegetais: minicenoura, minimilho, rabanete, cogumelo e batatinha cozida.

Porções individuais – Leve tortas ou quiches individuais para que possam ser comidos com as mãos, sem precisar fatiá-los.

Batatas – Para piquenique em dias frios, embrulhe batatas assadas com a casca em papel-alumínio. Embrulhe em camadas de jornal ou coloque-as em sacola térmica para mantê-las aquecidas.

**Idéia Luminosa- Empilhando sobremesas- Faça musses ou creme brûlées em tigelinhas individuais e empilhe-as com cartolina entre cada uma. Embrulhe a pilha em filme plástico para transporte.

Escolhendo o Equipamento

Não é necessário comprar muitos equipamentos especializados para piqueniques, mas uma sacola térmica com pacotes de gelo é essencial para manter os alimentos frios frescos, ainda mais no verão. Objetos descartáveis são mais leves e seguros do que louças.

Recipientes

  • Formato – Use recipientes quadrados sempre que possível, pois são fáceis de empilhar e ocupam menos espaço. Os redondos em geral têm bons lacres;use-os para líquidos.
  • Frascos – Use frascos com a borda larga para manter alimentos, como salada de frutas, frios. Ou para manter refogados ou sopas quentes.
  • Caixas – Se você não tem cesta de piquenique, use uma caixa grande de papelão. Será mais fácil de carregar, inclusive, do que a cesta.
  • Fazendo uma base firme – Se você levar um fogareiro para um piquenique, cuide para usá-lo com segurança. Antes de acender, coloque-o sobre uma assadeira de metal no chão, bem longe de plantas e árvores.

Lista de Piquenique

Cheque a lista:

  • Guardanapos e papel-toalha
  • Saca-rolhas
  • Faca afiada para pão e outros alimentos
  • Pratos e talheres descartáveis
  • Colheres para servir
  • Água mineral
  • Toalha de piquenique
  • Guarda-Chuva grande
  • Pano úmido descartável em um saco plástico
  • Repelente
  • Kit de primeiros socorros
  • Sacos para lixo

Embrulhando os alimentos

Embrulhar alimentos para um piquenique é uma tarefa de bom senso. Com planejamento cauteloso, a comida chegará ao local fria, sem danos e pronta para comer. Uma regra geral é colocar os itens pesados e que não amassam embaixo, e os delicados por cima.

Saladas – Coloque as saladas em recipientes rígidos deixando certo espaço dentro.

Guardando o molho - Ponha o molho num pote com tampa e leve-o no mesmo recipiente da salada. Tempere a salada na hora de servir.

Levando o saca-rolha – Para garantir que se lembrará de levar o saca-rolha, e para encontrá-lo com facilidade no piquenique, prenda-o à garrafa com fita crepe.

Evitando problemas

  • Lenços de papel – Coloque tortas com bordas delicadas em caixas rígidas e coloque lanços de papel ao redor para proteger.
  • Copos e porcelana – Embrulhem-os em folhas de jornal para evitar que quebrem
  • Bebidas em garrafas – Deite as garrafas de lado sobre o gelo em um isopor para mantê-las frias e evitar que quebrem.
  • Ordem – Se possível, coloque os alimentos na ordem de utilização, com as sobremesas por último.
  • Vazamento – Deixe os refrigerantes descansarem depois da viagem para que não vazem ao serem abertos.

Confraternização de Natal – Neste Fim de Ano Fuja do Convencional

Publicado em por Fleischmann

Brincadeiras na confraternização

Com a chegada do fim do ano, as empresas costumam reunir seus funcionários para as tradicionais festas de confraternização. Para muitos, a época é o momento certo para reunir a galera na mesa de um bar ou em algum restaurante. Mas, se os programas convencionais e baladas ou lugares muito movimentados tornaram-se saturados, o ideal é comemorar em grande estilo e de maneira diferente.

Churrasco e futebol

Que brasileiro gosta de churrasco isso todo mundo já sabe. Então, que tal reunir os colegas de trabalho e saborear o tradicional “barbecue”? O primeiro passo para garantir uma festa animada e bem organizada é escolher um lugar que alie o útil ao agradável. Nesse caso, o prédio de algum conhecido ou a churrasqueira da casa de seu companheiro de sala pode ser a opção. Depois é só garantir um menu que agrade a todos os gostos. É sempre bom lembrar que a secretária talvez esteja de dieta ou seu colega seja vegetariano.

Os fãs de futebol também podem se reunir para a festa com uma “pelada” no campo de society. Pelo Brasil existem inúmeras opções que oferecem a possibilidade de se jogar uma boa partida e ainda saborear o churrasco no final. Programas como esses costumam ser uns recomendados para que os eventuais “colegas” de trabalho transforme-se em grandes amigos.

Boliche

Outra boa opção é reunir o pessoal em uma partida de boliche. E por que não? Além das disputas, os menos acostumados podem acompanhar todos os momentos enquanto saboreiam um drink ou se deliciam com os petiscos.

A grande maioria dos boliches costuma levar às pistas aquele clima típico das baladas, com direito a muita música, decorações descontraídas e a oportunidade de colocar o papo em dia. O jogo também é bom para quem pretende gastar pouco e se divertir. Os mais tradicionais costumam variar de R$ 25 à R$ 40, por uma hora.

Karaokê

Procurar um lugar com Karaokê também promete ser um programa bastante divertido. Alguns lugares espalhados pelo Brasil viraram ponto de encontro de gente badalada, que entre um gole e outro, demonstra seus dotes de “cantor (a)”, com músicas que vão de rock e mpb mais clássico, ao brega.

Kart

Quem gosta de velocidade, pode escolher nas pistas de kart uma boa opção de lazer. A grande vantagem é que na maioria desses lugares, além das pistas de corrida, há outras opções de diversão como fliperamas, boliches e lanchonete. Por isso, quem não é muito fã, poderá acompanhar as disputas de longe aproveitando o tempo de outra maneira. Meia hora de diversão não costuma sair por menos de R$ 40.

Festa no Sítio

Já pensou em reunir os amigos e colegas para uma viagem? Uma maneira de aproveitar a confraternização e sem gastar muito dinheiro, é alugar algum sitio próximo a sua cidade. Lugares assim costumam ser o verdadeiro antro de lazer, com piscina, campo de futebol, churrasqueira e variadas opções junto a natureza. Basta usar a criatividade e curtir o momento.

A grande vantagem de alugar um sítio é manter os amigos reunidos, e aproveitar tanto o dia quanto a noite, sem preocupações. Vale fazer churrasco, se refrescar na piscina, promover torneios esportivos ou apenas sentar e colocar a conversa em dia. Para facilitar o transporte, a dica fica em alugar vãs. O final de semana em um sítio costuma variar entre R$ 50 e R$ 100 por pessoa.

Patinação

Este tipo de programa inusitado, e um tanto quanto incomum, costuma garantir boas risadas e momentos de diversão. Com a chegada do fim do ano alguns shoppings costumam instalar em suas áreas pistas de patinação na neve, bem com manda o figurino.

Enquanto as pessoas se equilibram na pista, normalmente estes estabelecimentos servem petiscos e drinks. Por isso, quem preferir apenas observar, sem arriscar umas manobras no patins, o bom é aproveitar as delícias servidas no bar e aguardar os tombos dos amigos para dar muitas risadas.

Meia hora de diversão não costuma sair por menos de R$ 20.

Como Convidar as Pessoas para a sua Festa

Publicado em por Fleischmann

Assim como receber, convidar também exige arte e sabedoria. Existem pessoas que têm expectativa de um tratamento diferenciado e especial até no convite. Tenha perspicácia para distingui-los e deixar todos seus convivas muito seguros de que são muito esperados em sua festa!

Recepções informais: faça os convites por telefone e com antecedência mínima de três dias;

Ocasiões formais ou com muitos convidados: envie-os pelo correio com 15 dias de antecedência, assim dá tempo de verificar quais os convidados que vão comparecer;

E-mail: evite usar e-mail para convidar, é muito informal. Use-o se for à única forma de contato com o convidado;

Convite por telefone: demonstre prazer em receber a pessoa. Diga data, horário, endereço, motivo da festa, nome de alguns convidados conhecidos. Dessa forma delicadamente você demonstra a necessidade de confirmação de presença, para melhor calcular o que servir.

Planejando a Noite de Natal

Publicado em por Fleischmann

Preparando a mesa

A Ceia de Natal será servida em sua casa, só resta escolher os pratos e como proceder para que saia tudo como imagina.

Para organizar seus dias até a data da comemoração, comece escolhendo que tipo de ceia quer servir: tradicional, com pratos gostosos já conhecidos, light para quem não quer ficar com peso na consciência no dia seguinte ou congelada, que você pode fazer já, deixando os toques finais para a véspera.

Depois disso, pense na maneira como quer que os convidados estejam dispostos na hora dos comes e bebes. Se quer algo mais requintado, sirva à francesa, de maneira mais despojada, à brasileira.

E nada melhor para uma confraternização do que uma mesa farta não é? Um bom vinho e uma “champagne” de qualidade também são indispensáveis, principalmente na hora do brinde.

Só não vale exagerar

Controlar a alimentação para a chegada do fim de ano é hábito comum de parte dos brasileiros. Porém a intenção não é apenas estar em boa forma para as festas, mas sim ganhar “créditos” para abusar das guloseimas típicas das tradicionais ceias de Natal, como o peru, o pernil, as castanhas e outras delícias. Engordar alguns quilinhos faz parte do pacote e é perdoável.

União Familiar

Reunir toda a família na véspera de Natal é uma tradição que muitas pessoas fazem questão de manter. Tradição esta que teve início com os europeus, há centenas de anos. Consta na literatura que, no dia de Natal, eles deixavam a porta de casa aberta para que peregrinos e viajantes entrassem e, juntamente com à família, participassem da confraternização.

Decoração

Decoração Ceia de Natal é sinônimo de uma árvore enfeitada com laços e adereços natalinos ao lado da mesa repleta de frutas tropicais e toalhas e guardanapos em tons de vermelho e dourado. Mas é possível fazer uma decoração diferente e manter o espírito do Natal. Os tons de verde, prata e branco são boas pedidas para a data.

Colocar arte nas sobremesas também é válido. Mini-bolos com formato de caixinhas de presentes e árvores de Natal ficam lindos.

O Vinho Branco

Publicado em por Fleischmann

Conheça e aprenda a degustar os vinhos mais apropriados para o verão.

Grandes vinhos brancos são sempre uma alegria para os olhos, para o olfato e para o paladar. Mas, quando você conhece um pouco mais sobre como eles são feitos, o prazer que tem ao degustá-los é ainda maior.

Muitas uvas produzem vinhos brancos, mas nenhuma é tão popular quanto a Chardonnay. Sua capacidade de adaptação aos diversos tipos de solo faz com que o vinho seja produzido com qualidade em localidades tão díspares quanto França, Austrália, Chile e até mesmo o Brasil, onde ela serve de base para bons espumantes. Seu sabor pode ser amanteigado, cremoso, amendoado ou até defumado, dependendo do tipo de solo e do envelhecimento em barris de carvalho.

A uva Riesling, embora não tão popular quanto a Chardonnay, é reconhecida por produzir alguns dos melhores brancos do mundo, entre eles os saborosos e frutados alemães. Infelizmente produtores muito populares que fazem bebida de baixa qualidade em larga escala acabaram impingindo má fama aos Riesling. Mas ela é injusta. A Riesling também é uma das uvas mais utilizadas nos vinhos de sobremesa, por sua delicadeza e sabor inimitáveis. Fora da Alemanha os mais famosos Riesling estão na Áustria e na Alsácia – região no norte da França, na fronteira com a Alemanha, de vinhos caros mas que podem ser conservados por muitos anos. Da região do vale do Loire, na França, onde os vinhos Sancerre e Pouilly Fume fizeram sua fama, para as ilhas da Nova Zelândia, onde se adaptou muito bem, a uva Sauvignon Blanc deixa nas bebidas produzidas a partir dela um gosto seco, ácido e herbáceo, que merece ser bebido jovem para preservar sua característica crocante. Não estranhe. Os entendidos empregam o termo para dizer que o vinho tem acidez viva e fresca, porém que não se sobrepõe às suas demais características.

De onde vem a cor

Os vinhos brancos são fermentados sem a casca da uva. É nela que estão a cor dos tintos e grande parte dos taninos, substâncias que dão adstringência à bebida e ajudam a conservá-la. Por isso, sobrevivem por menos tempo.

Após a colheita, é retirado o cabinho da uva, que pode deixar um amargor desagradável no vinho. A prensagem é suave, para não esmagar cascas ou caroços, e o líquido resultante, o mosto, vai (sem as cascas) para tonéis de aço onde a temperatura da fermentação é controlada para manter a acidez, os aromas e os sabores mais delicados. Já fermentado, o vinho é filtrado e pode ser logo engarrafado ou passar um período em barris de carvalho, como a maioria dos Chardonnay. Os brancos brasileiros em geral não podem ser guardados por mais do que dois ou três anos. Alguns europeus e americanos – caso de certos Riesling da Alsácia e da Alemanha – sobrevivem por até oito anos.

Uma só ou várias uvas na receita

Além da Chardonnay, da Riesling e da Sauvignon Blanc, algumas outras uvas são utilizadas sozinhas na fabricação de vinhos brancos muito interessantes que só não são mais populares porque essas uvas necessitam de determinados tipos de solo para atingirem a maturação adequada, daí esses vinhos serem limitados a certas regiões do mundo, como é o caso da Gewurztraminer, originária da Itália, mas que encontrou na Alemanha e na Alsácia alguns dos mais férteis terrenos para sua produção. Seu vinho é dourado, tem o sabor das especiarias e das frutas doces, como o pêssego.

Da enorme família das uvas Pinot vem a Pinot Gris (na França) ou Pinot Grigio (na Itália), que em português significa pinot cinzento, devido ao tom de amarelo-pálido do vinho produzido por elas. No norte da Itália seus vinhos são secos, frescos e leves, mas na França eles adquirem uma característica mais adocicada e rica, com suaves toques de mel.

Essas bebidas, feitas com um só tipo de uva, são chamadas varietais. Mas há também algumas combinações de uvas que resultam em ótimos vinhos brancos. Uma das mais famosas é a das Sémillon e Sauvignon Blanc, que resulta no doce, sofisticado e muito caro Sauternes, da região de Bordeaux, na França.

A uva branca mais plantada no mundo, por sinal, é a Trebbiano Italiana, não porque sua qualidade seja excepcional, mas porque ela se combina muito bem com outras variedades, adicionando acidez e não deixando quase nenhum sabor muito característico. Uma pequena quantidade de Trebbiano faz parte, por lei, do vinho tinto Chianti. Na França a Trebbiano adotou vários nomes, entre eles o Ugni Blanc e o Saint Emillon, e lá as uvas, além de serem utilizadas em vinhos leves e refrescantes, são processadas para se transformarem nos mais finos conhaques.

Prato e copo em harmonia

Peixe com vinho branco e carne com tinto, certo? Nem sempre. O caminho mais seguro é combinar não a cor, mas a leveza do alimento com a da bebida. Vinhos leves com pratos leves e vinhos mais pesados com pratos mais pesados. Mas um Chardonnay pode ser mais ou menos encorpado e, dependendo da região que o produziu e do envelhecimento, poderá ser servido com peixes e crustáceos, massas com molho branco ou até vatapá.

Os peixes, em geral, combinam com os brancos. Em sua maioria, os tintos ofuscariam a suavidade da carne. Mas há uma exceção: o bacalhau. Se o preparo leva temperos fortes, gordura, pimentão, ele pode aceitar um tinto. Frango, pato, vitela e certas partes do porco, por sua vez, podem ser servidos com um Gewurztraminer ou um frutado Spatlese da Alemanha.

Caviar, ostras e cozinhas asiáticas pedem espumante seco. Para uma massa com frutos do mar o ideal pode ser um Sauvignon Blanc, com seus aromas de ervas.

Aprecie tudo, do tom aos aromas mais sutis

Nos vinhos brancos a variação de cores é muito mais intensa do que entre os tintos, podendo ir do amarelo-esverdeado ao amarelo-ouro e para mais bem observar essas características nada como utilizar um belo copo. O copo adequado ajuda a concentrar a sutileza de aromas em seu bojo largo e boca estreita. Nem todos os especialistas concordam que o vinho branco deve ser servido num copo menor. Alguns fabricantes de copos chegam a produzir taças específicas para Chardonnay, para Riesling e para brancos frutados ou encorpados.

Ainda mais importante do que o copo certo é a temperatura, vinho muito gelado está com seus aromas dormentes. Para que isso não aconteça é importante que os brancos sejam servidos entre 9°C e 10°C. Esse nível será atingido se você deixar sua garrafa na parte de baixo da geladeira de um dia para o outro ou no mínimo por oito horas. Se você precisar gelar o vinho mais rapidamente, pegue um balde, coloque gelo até a metade e ponha a garrafa inclinada. Complete com água fria até quase o gargalo. Dessa forma em 40 minutos sua bebida estará na temperatura ideal.

 

Fonte: Revista Cláudia e Cozinha